Falando sobre o acaso, por Andréa Slepak Martins

Públicado em 22/04/2019
Imprimir
Andréa

Andréa Slepak Martins
Graduada em Bacharel em Estatística pela Universidade Federal do Paraná
Especialista em Controle Estatístico de Qualidade pela Universidade Federal do Paraná
Especialista em Gestão do Conhecimento na Educação Superior pela Faculdade Guairacá

 

Será que o ‘acaso’ realmente existe?

Quando estudamos as probabilidades utilizamos os cálculos para descobrir o que poderá acontecer no meio de tantas possibilidades, tentamos encontrar uma maneira de explicar aquilo que pode acontecer ‘ao acaso’.

É incrível como utilizando a matemática e suas ferramentas descobrimos como muitas coisas funcionam e como podem nos auxiliar para tomada de decisões. E por trás disso tudo existe um ser pensante a quem cabe fazer as escolhas e tomar as decisões: você!

Muito do que vivemos no nosso dia a dia é reflexo daquilo que pensamos. Se analisarmos nossa vida de uma maneira geral, observamos várias situações que nos fazem refletir sobre o acaso: quando encontramos alguém que há tempos não víamos, quando o telefone toca e do outro lado está a pessoa em quem você estava pensando, ou ainda, quando encontramos algo perdido que há tempos estávamos procurando e de alguma forma estava num lugar tão óbvio. Se levarmos em conta que aquilo que damos maior atenção se potencializa, podemos acreditar que muitas situações acontecem porque estamos mentalizando aquilo.

Desde a hora que acordamos estamos rodeados de possibilidades e cabe a cada um de nós fazermos as escolhas que nos fazem mais feliz. Para cada situação haverá uma probabilidade de dar certo ou não, o resultado vai depender da forma que se encara cada uma delas.

Vamos pensar melhor na maneira como lidamos com o acaso, é muito provável que tudo está sob nosso controle, mas é preciso estar bem consigo mesmo para acessar essas ferramentas. É necessário aquietar um pouco o turbilhão de pensamentos que passam na cabeça e encontrar aqueles que realmente nos auxiliam.

Não devemos nos prender a coisas sem importância que, muitas vezes, nos prejudicam e tomam nosso tempo, só porque está na mídia ou na moda. Vamos simplificar um pouco as coisas, vamos aproveitar mais a vida.

Dentre tantas possibilidades vamos focalizar naquilo que realmente nos faz bem!

0 Comentários

Os comentários estão fechados.