Metodologias ativas mediam discussões sobre casos clínicos na Guairacá

Públicado em 13/09/2017
Imprimir
foto_casoclinico

Seguindo a tendência das metodologias ativas de aprendizagem na Faculdade Guairacá, acadêmicos do curso de Fisioterapia da instituição estão sendo desafiados nesse semestre a solucionar diferentes casos clínicos por meio do PBL (Problem Based Learning), um método de aprendizagem baseado em problemas.

O coordenador do curso, professor Luiz Alfredo Braun Ferreira, destacou o quanto o método PBL pode contribuir para o desenvolvimento da aprendizagem. “Nesse processo educativo, os alunos precisam buscar recursos para solucionar problemas do dia a dia profissional, ou seja, eles atuam de forma ativa na construção do seu conhecimento, desenvolvendo autonomia e criticidade. Já os professores passam a ocupar uma nova posição, como mediadores desse processo”.

Durante a disciplina de Anatomia Humana com o professor Clauberto Medeiros de Souza, nessa terça-feira, 12, os acadêmicos do 1º, 2º e 3º Períodos foram divididos em 8 grupos e apresentaram para o restante da turma os procedimentos cabíveis em todo o processo de atendimento a um paciente, a fim de possibilitar sua independência e retorno às atividades de vida diária. A atividade também seguiu o método PBL, conforme apontou o professor Clauberto. “O intuito é que os alunos estudem individualmente sobre determinado assunto antes de cada aula e aqui discutam, afinal, não há uma única verdade, especialmente se tratando de vidas”.

O caso explanado foi de um paciente de 45 anos que, em viagem, acabou sofrendo um acidente de motocicleta. O grupo 1 demonstrou os primeiros socorros que devem ser prestados pelo profissional da área da saúde diante de um acidente desse porte. Após investigação médica por exames, feita estabilização do paciente e fixação da vértebra faturada e, já respondendo aos reflexos neurológicos, o grupo 2 explanou sobre a atuação do fisioterapeuta ainda no hospital. Os grupos 3, 4 e 5 identificaram os músculos envolvidos e explicaram suas funções.

Na simulação, após 15 dias de internamento, o paciente vai para casa onde repousa por mais 45 dias. Logo após esse período, ele chega às Clínicas Integradas Guairacá para realizar avaliação fisioterapêutica. Os demais grupos sugeriram determinados exercícios para alongamento e fortalecimento dos músculos, conforme explicou a acadêmica Kamila Paulovski, do grupo 7. “A partir desse estágio do atendimento clínico, o fisioterapeuta trabalha para aumentar a amplitude de movimentos do paciente, além de aumentar a mobilidade e funcionalidade dos seus membros”.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

*