Responsabilidade Social

responsabilidade-socialA Faculdade Guairacá tem como missão formar profissionais com excelência acadêmica e forte caráter humanístico e instruir a comunidade escolar a engajar-se na institucionalização de uma sociedade justa, solidária e fraterna. O trabalho social é um dos fundamentos da instituição, incentivando os alunos à formação humana.

É com este compromisso que a Guairacá desenvolve ao longo do ano várias ações gratuitas  nas áreas de educação, saúde, cultura, meio ambiente, dentre outras. Além da aplicação de projetos de ação contínua, como a Academia da Terceira Idade, a Brinquedoteca Hospitalar e os Jogos Lúdicos na Ala Psiquiátrica do Hospital Santa Tereza, a Faculdade Guairacá também realiza ações pontuais de Responsabilidade Social, em que alunos, professores, coordenadores e funcionários se unem para levar ajuda, material e humana, à comunidade.

 

>> Confira os projetos mantidos pela instituição:

 

O projeto Ela Empreendedora foi idealizado visando ampliar a rede de atendimento à mulher vítima de violência, para a busca de autonomia econômica através de capacitação para inserção no mercado de trabalho. Tem como foco o despertar de suas habilidades, objetivando fortalecê-la para romper o ciclo da violência e para resgatar sua dignidade, a fim de que possa exercer seus direitos de maneira efetiva e, principalmente, para que tenha o controle de sua vida e de seu destino.

Trata-se do primeiro projeto pensado para a vítima de violência doméstica no âmbito judiciário e a Guairacá, enquanto instituição de ensino e pautada em sua  missão e responsabilidade social, oferece oficinas e minicursos para vítimas moradoras de Guarapuava, cujos dados são disponibilizados pelas parcerias com as varas penais do judiciário de Guarapuava e pela Secretaria da Mulher da Prefeitura Municipal de Guarapuava, apoiado pelo Sebrae no âmbito do empreendedorismo e pelas empresas que demandam a mão de obra capacitada, construindo assim uma rede de atores na atuação para minimização da vulnerabilidade social.

O projeto envolve discentes e docentes nas capacitações e a instituição de ensino disponibiliza toda sua estrutura para tal fim.  Com base nos dados quantitativos, Guarapuava hoje possui 612  mulheres que fizeram denúncia de violência doméstica, destas, 242 mulheres que fazem parte das políticas públicas da Secretaria da Mulher de Guarapuava aderiram ao projeto,  ressaltando que elas escolheram o tipo de curso que gostariam de fazer e no período de 8 meses 110 foram capacitadas, 10% foram empregadas e 136 mulheres foram demandas para contratação para o Shopping Cidade dos Lagos que inaugurará em março de 2018.

Com a divulgação do projeto ainda obteve-se a adesão de mais empresas parceiras para a contratação. O projeto foi apresentado no FONAVID (Fórum Nacional de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher) em novembro de 2017, tendo a oportunidade de propagar para vários Estados do Brasil essa prática.

O projeto é ofertado gratuitamente para crianças carentes do município de Prudentópolis, para vivências práticas e teóricas sobre lutas, artes marciais e esportes de combate. Também tem como objetivo a integração dos acadêmicos de Educação Física Bacharelado e Licenciatura no desenvolvimento de conhecimentos sobre a temática.

O público reúne crianças carentes da periferia, crianças de classe média e crianças do SOS Prudentópolis (Casa Lar), para que todos aprendam a vivenciar as diferenças sociais existentes.

São atendidas aproximadamente 30 crianças, que são divididas em 2 turmas, uma no período da manhã e outra no período da tarde duas vezes por semana e utilizam o espaço da Academia Malharte de Prudentópolis.

Uma parceria da Faculdade Guairacá vem proporcionando aos jovens do projeto Pelotão Esperança qualificação social e profissional através da inclusão digital. Eles estão participando de aulas de informática nos laboratórios da instituição, ministradas pelo professor Bruno Augusto Santos Almeida.

O projeto Pelotão Esperança iniciou seus trabalhos em 1998. Os alunos permanecem por no máximo dois anos e, durante esse período, participam de várias atividades no contraturno escolar. Essas atividades têm como objetivo propiciar melhores condições de vida, trabalhando a sua autoestima, incentivando-os à adoção de um comportamento disciplinado e incrementando a sua sociabilidade e o companheirismo.

A Guairacá é parceira do projeto há cerca de 5 anos. Segundo a professora Regiane Orlovski, que coordena as atividades na faculdade, a informática tem se apresentado não apenas como uma ferramenta de auxílio no desenvolvimento de tarefas, mas sim como uma tendência à nível de mundo, interferindo em todas as áreas do conhecimento, em especial no desenvolvimento escolar. “Com o intuito de aproximarmos o aluno do universo da informática, durante as aulas são aplicados conteúdos contextualizados, num processo de construção de conhecimentos, ampliação de informações e sistematização de reflexões através da produção de textos no computador, tendo uma mescla de teoria e prática”.

Atualmente, são atendidos cerca de 70 adolescentes, de 12 a 14 anos de idade, em aulas semanais de uma hora de duração.

O trabalho da Educação Física em projetos sociais mostra-se importante para a sociedade e para futuros profissionais da área.

Acredita-se que a Educação Física, enquanto área de conhecimento, é essencial para questões voltadas à reabilitação física e mental por meio de atividades lúdicas e atividades físicas. Nesse sentido é que se recorre a projetos sociais que oportunizam tanto o aperfeiçoamento profissional dos acadêmicos, quanto em uma maior qualidade de vida à diversos setores da sociedade.

Esse projeto objetiva, portanto, oportunizar aos acadêmicos dos cursos de Educação Física Licenciatura e Bacharelado da Faculdade Guairacá a vivência de atividades profissionais voltadas à área da saúde. O projeto atende o CAPS II do município de Prudentópolis, que abriga usuários de drogas e álcool que lá se encontram em busca de tratamento. Duas vezes por semana são atendidos cerca de 20 pacientes.

Alterações como perda da força muscular, diminuição da flexibilidade, da agilidade e da coordenação fazem parte do processo natural do envelhecimento, mas esses aspectos podem ser amenizados através da prática regular da atividade física.

O Programa da Terceira idade é desenvolvido desde 2008 pelo Colegiado de Educação Física, oferecendo aos idosos um espaço para realização de exercícios físicos sistematizados e supervisionados com o intuito de minimizar as perdas funcionais ocasionadas pelo envelhecimento e pelo sedentarismo. Atualmente são mais de 150 participantes, que recebem também assistência dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia, Psicologia e Serviço Social. As atividades são programadas pela manhã, duas vezes por semana.

Dentro do Programa, também são desenvolvidas ao longo do ano uma série de eventos, como a Semana da Melhor Idade, um um evento já tradicional, realizado todos os anos pelas Clínicas Integradas Guairacá, conforme explicou a Coordenadora Administrativa, Bianca Raquel Garcia Pereira. “Preparamos uma semana inteira de atividades para comemorar junto. Esse é um momento preparado especialmente para fortalecer a autonomia e o envelhecimento saudável, para reforçar os vínculos familiares e comunitários, além de prevenir o isolamento social e aumentar a autoestima dos participantes”.

O Programa da Terceira Idade na Igreja Santana iniciou em março de 2016. Trata-se de um projeto de extensão que oferece à população idosa de Guarapuava, residentes nas regiões do bairro Santana, atividades físicas supervisionadas e orientadas para a promoção da saúde e qualidade de vida. As atividades são abertas à comunidade, sendo em sua totalidade gratuitas. Os encontros acontecem três vezes por semana no ginásio de esportes da Paróquia Igreja Santana, atendendo uma média de 40 idosos. As atividades são desenvolvidas duas vezes por semana, das 8h às 9h.

Além dos encontros para prática de exercícios físicos, ao longo do ano em alguns momentos são realizadas outras atividades como palestras sobre temas como envelhecimento, alimentação, doenças crônicas degenerativas, hipertensão, além de questões na área do serviço social.

A prescrição dos exercícios, bem como a intensidade e volume de treinamento, são de responsabilidade do professor Marcos Vinicius Soares Martins. A aplicação dos exercícios e avaliações tiveram contribuição da professora e fisioterapeuta Hilana Rickli Fiuza Martins e acadêmicos do curso de Educação Física Bacharelado. Os idosos são avaliados periodicamente no início e fim de cada semestre ao longo do ano.

Tendo em vista a importância do lúdico no desenvolvimento humano, e entendendo também a dificuldade e o sofrimento de uma criança que precisa ficar internada, o Colegiado de Pedagogia da Faculdade Guairacá fundou em 2009 a Brinquedoteca Hospitalar no Hospital Santa Tereza. Conforme explicou a professora Elizabeth Macedo Fagundes, responsável pelo projeto, de segunda à sexta, uma estagiária acompanha a garotada. “O objetivo em desenvolver a brinquedoteca é de atender as crianças hospitalizadas, além de oportunizar aos acadêmicos de Pedagogia uma prática de extensão e uma vivência da fundamentação teórica”.

A Lei 11.104, de 21 de março de 2005, obriga que todos os estabelecimentos de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação instalem brinquedotecas em suas dependências. No entanto, a grande maioria dos hospitais, por não terem recursos materiais e humanos, apenas organizam um cantinho com alguns brinquedos. Nesse sentido, segundo a professora Elizabeth, a Faculdade Guairacá tem feito a diferença no Hospital Santa Tereza.

Na brinquedoteca, as brincadeiras e os jogos ajudam as crianças internadas na recuperação. E as partes mais sofridas do tratamento são até esquecidas por alguns instantes. “Entendemos que a internação hospitalar interrompe o estado de equilíbrio da criança e a organização em relação ao meio em que vive, assim, consideramos que o incentivo às atividades lúdicas, expressivas e educativas permitem que a criança encontre novo equilíbrio e faz com que ela aceite a conviver melhor com a doença”.

Um dos serviços disponibilizados pela Faculdade Guairacá é a Brinquedoteca Moitará. Dinâmico e colorido, cheio de brinquedos, livros, jogos e fantoches, o local foi preparado especialmente para atender às necessidades dos acadêmicos, professores e funcionários da instituição que ocasionalmente não têm com quem deixar seus filhos.

Segundo a professora Elizabeth Macedo Fagundes, responsável pelo projeto, as atividades possibilitam um contato com diversas modalidades de brincadeiras, momento em que as crianças aprendem e se desenvolvem mais rapidamente. A existência da brinquedoteca favorece também o próprio curso de Pedagogia da instituição.

A brinquedoteca funciona de segunda a sexta-feira das 18h30 às 22h30. Atende crianças de 02 a 06 anos e conta com uma brinquedista que organiza e dirige as atividades desenvolvidas pelos usuários. A brinquedoteca atende no máximo 08 crianças por noite, previamente agendadas.

A história do Grupo de Apoio Multifamiliar a Adoção (GAMA) iniciou-se no ano de 2007 a partir de uma parceria entre comunidade adotante e a Faculdade Guairacá, através da busca dos pais que já haviam adotado, por apoio psicológico e orientações sobre a complexidade do processo. No município, naquele momento, não haviam serviços disponíveis para este fim.

Os trabalhos cresceram e hoje o grupo GAMA constitui-se como um programa de apoio a adoção e faz parte obrigatória do processo de habilitação para este fim no município de Guarapuava. Assim, a parceria agora inclui a Faculdade Guairacá, a comunidade adotante e a Vara da Infância e da Juventude de Guarapuava.

O programa conta com 3 frentes obrigatórias: habilitação, pós-adoção e reabilitação. O grupo de habilitação conta com 5 encontros com temas pertinentes ao processo: filho ideal x filho real, dúvidas legais sobre o processo, adoção tardia, segredos e histórias do passado, troca de experiências. O grupo de pós-adoção tem 4 encontros que visam discutir temáticas que envolvem a chegada da criança na nova família, o processo de adaptação, a fase dos testes e as histórias singulares de cada um dos participantes. O grupo de reabilitação deve ser frequentado por pessoas que estejam na fila de espera para adoção por 3 anos ou mais. O programa tem duração de 3 encontros que objetivam avaliar juntamente com os participantes o tempo de espera, as angustias construídas neste tempo e o perfil da criança esperada. Todos os grupos acontecem nas dependências da Faculdade Guairacá, todas às sextas-feiras no período da noite.

Para execução e mediação desse programa, o GAMA conta com 10 estagiárias do curso de Psicologia e com uma professora para mediação e supervisão.

Além das atividades obrigatórias, o GAMA acompanha os processos de adoção do município a partir de visitas semanais ao Fórum e contato direto com os profissionais responsáveis da Vara da Infância e da Juventude.

Vale destacar que todos os grupos são abertos, isso significa que não somente os futuros pais podem participar, mas todos aqueles que desejem saber mais sobre o processo ou se interessem pelo tema.

O projeto de extensão de Fisioterapia em Oncologia da Faculdade Guairacá é realizado na Associação Casa de Passagem e Apoio à Pessoa com Câncer (ACPAC) desde abril de 2016. O projeto foi idealizado pela Coordenação de Fisioterapia, tendo em vista a necessidade dos pacientes da ACPAC por fisioterapia e o aumento da incidência das neoplasias, a qual será a principal causa de morte daqui há 10 anos, segundo discussão de profissionais da saúde em um dos melhores congressos de oncologia do Brasil (Todos Juntos Contra o Câncer, 2017). Esse aumento de número de casos e morte por câncer ressalta a importância do discente da Faculdade Guairacá ter conhecimento e experiência no atendimento de pacientes oncológicos em todas as fases de seu tratamento.

A Fisioterapia em Oncologia atua desde o diagnóstico da patologia até a redução dos efeitos adversos dos tratamentos como radioterapia, quimioterapia e hormônioterapia que são: fadiga, caquexia, dor, náuseas, dor articular, dispneia, constipação intestinal e etc. Pode-se auxiliar também pacientes no pós operatório com redução de edema, tratamento de linfedema, prevenção e tratamento de incontinência urinária, melhora de equilíbrio e coordenação motora, melhora da ventilação e força muscular respiratória e etc.

No presente projeto de extensão é realizado um grupo de fisioterapia com pacientes de ambos os sexos e com diversos tipos diferentes de patologia com predominância de mulheres com câncer de mama. É realizado um protocolo de atendimento contendo: aquecimento, fortalecimento muscular, alongamento muscular, exercícios respiratórios e relaxamento. Após o atendimento em grupo, alguns pacientes que necessitam de cuidados específicos são atendidos de forma individual. Em todo momento do projeto os alunos estão supervisionados por professora especialista em fisioterapia em oncologia. Os encontros com os pacientes são realizados duas vezes por semana e os pacientes que necessitam de atendimentos individuais são agendados nas Clínicas Integradas Guairacá.

O número de pacientes varia muito em razão da alta rotatividade, por alta ou óbito, mas a quantidade varia entre 10 a 20 pessoas. Os dez alunos selecionados para o projeto devem estar cursando Fisioterapia na Faculdade Guairacá, onde a maior parte deles estão entre primeiro e quarto período.

A relação entre a Faculdade Guairacá e ACPAC não é restrita nesse projeto. O curso de Psicologia também apoia a instituição e a campanha “Outubro Rosa e Novembro Azul” é feita em parceria, beneficiando pessoas e destacando à todos a importância do cuidado e prevenção do câncer.

Atendendo o chamado da 5ª Regional de Saúde, a Faculdade Guairacá compareceu no dia 16 de fevereiro de 2016 em uma reunião para apresentação das questões ligadas ao combate a Dengue, Zica e Chikunguya.  Nesta reunião foram apresentados os números de pessoas que contraíram alguma das doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypt no município, no âmbito da 5ª Regional, no Estado e no país. Foram apresentadas também as ações que estavam sendo desenvolvidas por cada um dos municípios da região, que iam desde o alerta aos proprietários onde foram localizados criadores, até a questão da multa e do selo apresentado pelo município do Turvo. A enfermeira Silvia pediu o esforço de todos no combate dos criadores do Aedes Aegypt e o pedido especial para que as instituições de ensino preparassem ações de alerta junto à comunidade estudantil. Pediu ainda que estes colaborassem na medida do possível em ações juntamente com o Setor de Vigilância Sanitária do município no combate ao mosquito. Foi solicitada a participação de todos no dia 09 de cada mês quando são realizadas ações diretas e programadas. Neste mesmo encontro foi criado o Comitê Gestor de Combate a Dengue, Zica e Chikunguya. Neste Comitê a Faculdade assumiu a segunda secretaria.

A partir desta reunião a Faculdade Guairacá constituiu um Comitê Gestor interno para organizar ações junto à comunidade acadêmica em geral.

Este Comitê foi constituído por professores da área de educação e saúde que organizaram várias ações internas de conscientização dos acadêmicos, professores e funcionários para que se engajassem nesta luta.

Assim, foi criado um banner na página eletrônica da faculdade, em que todos puderam obter informações de combate ao mosquito. Nas entradas da instituição e em todas as salas de aula também foram colocados banners e cartazes, com informações sobre os cuidados para se evitar criadouros do mosquito. O professor Emanoel Severo, do Colegiado de Enfermagem, organizou e proferiu palestras para todos os acadêmicos da instituição. Na ocasião, eles receberam folders com orientações de como proceder para combater o mosquito e foram convidados a participar de ações em seus municípios.

O projeto Lacre Solidário teve início em 2014 na Faculdade Guairacá e desde então tem ganhado força em Guarapuava, mobilizando não somente alunos e funcionários instituição, mas toda comunidade guarapuavana.

O gesto é simples, mas muito nobre por parte daqueles que participam. A proposta da campanha tem como intenção despertar a solidariedade das pessoas para que contribuam com a arrecadação de lacres, que são trocados por cadeiras de rodas.

Ao final do ano todo material é entregue para o Pequeno Cotolengo, instituição sem fins lucrativos de Curitiba que atende portadores de deficiências físicas e mentais, e encaminhado para uma empresa que faz a troca por cadeiras de rodas. Em média, a cada 170 garrafas pet de 2 litros cheias de lacres, é possível adquirir uma cadeira de rodas simples. O valor varia conforme cotação do alumínio e peso das garrafas.