Responsabilidade Social

responsabilidade-socialA Faculdade Guairacá tem como missão formar profissionais com excelência acadêmica e forte caráter humanístico e instruir a comunidade escolar a engajar-se na institucionalização de uma sociedade justa, solidária e fraterna. O trabalho social é um dos fundamentos da instituição, incentivando os alunos à formação humana.

É com este compromisso que a Guairacá desenvolve ao longo do ano várias ações gratuitas  nas áreas de educação, saúde, cultura, meio ambiente, dentre outras. Além da aplicação de projetos de ação contínua, como a Academia da Terceira Idade, a Brinquedoteca Hospitalar e os Jogos Lúdicos na Ala Psiquiátrica do Hospital Santa Tereza, a Faculdade Guairacá também realiza ações pontuais de Responsabilidade Social, em que alunos, professores, coordenadores e funcionários se unem para levar ajuda, material e humana, à comunidade.

 

>> Confira os projetos mantidos pela instituição:

 

Uma parceria da Faculdade Guairacá vem proporcionando aos jovens do projeto Pelotão Esperança qualificação social e profissional através da inclusão digital. Eles estão participando de aulas de informática nos laboratórios da instituição, ministradas pelo professor Bruno Augusto Santos Almeida.

O projeto Pelotão Esperança iniciou seus trabalhos em 1998. Os alunos permanecem por no máximo dois anos e, durante esse período, participam de várias atividades no contraturno escolar. Essas atividades têm como objetivo propiciar melhores condições de vida, trabalhando a sua autoestima, incentivando-os à adoção de um comportamento disciplinado e incrementando a sua sociabilidade e o companheirismo.

A Guairacá é parceira do projeto há cerca de 5 anos. Segundo a professora Regiane Orlovski, que coordena as atividades na faculdade, a informática tem se apresentado não apenas como uma ferramenta de auxílio no desenvolvimento de tarefas, mas sim como uma tendência à nível de mundo, interferindo em todas as áreas do conhecimento, em especial no desenvolvimento escolar. “Com o intuito de aproximarmos o aluno do universo da informática, durante as aulas são aplicados conteúdos contextualizados, num processo de construção de conhecimentos, ampliação de informações e sistematização de reflexões através da produção de textos no computador, tendo uma mescla de teoria e prática”.

Atualmente, são atendidos cerca de 70 adolescentes, de 12 a 14 anos de idade.

Alterações como perda da força muscular, diminuição da flexibilidade, da agilidade e da coordenação fazem parte do processo natural do envelhecimento, mas esses aspectos podem ser amenizados através da prática regular da atividade física.

O Programa da Terceira idade é desenvolvido desde 2008 pelo Colegiado de Educação Física, oferecendo aos idosos um espaço para realização de exercícios físicos sistematizados e supervisionados com o intuito de minimizar as perdas funcionais ocasionadas pelo envelhecimento e pelo sedentarismo. Atualmente são mais de 150 participantes, que recebem também assistência dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia, Psicologia e Serviço Social.

Dentro do Programa, também são desenvolvidas ao longo do ano uma série de eventos, como a Semana da Melhor Idade, um um evento já tradicional, realizado todos os anos pelas Clínicas Integradas Guairacá, conforme explicou a Coordenadora Administrativa, Bianca Raquel Garcia Pereira. “Preparamos uma semana inteira de atividades para comemorar junto. Esse é um momento preparado especialmente para fortalecer a autonomia e o envelhecimento saudável, para reforçar os vínculos familiares e comunitários, além de prevenir o isolamento social e aumentar a autoestima dos participantes”.

Tendo em vista a importância do lúdico no desenvolvimento humano, e entendendo também a dificuldade e o sofrimento de uma criança que precisa ficar internada, o Colegiado de Pedagogia da Faculdade Guairacá fundou em 2009 a Brinquedoteca Hospitalar Moitará no Hospital Santa Tereza. Conforme explicou a professora Elizabeth Macedo Fagundes, responsável pelo projeto, de segunda à sexta, uma estagiária acompanha a garotada. “O objetivo em desenvolver a brinquedoteca é de atender as crianças hospitalizadas, além de oportunizar aos acadêmicos de Pedagogia uma prática de extensão e uma vivência da fundamentação teórica”.

A Lei 11.104, de 21 de março de 2005, obriga que todos os estabelecimentos de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação instalem brinquedotecas em suas dependências. No entanto, a grande maioria dos hospitais, por não terem recursos materiais e humanos, apenas organizam um cantinho com alguns brinquedos. Nesse sentido, segundo a professora Elizabeth, a Faculdade Guairacá tem feito a diferença no Hospital Santa Tereza.

Na brinquedoteca, as brincadeiras e os jogos ajudam as crianças internadas na recuperação. E as partes mais sofridas do tratamento são até esquecidas por alguns instantes. “Entendemos que a internação hospitalar interrompe o estado de equilíbrio da criança e a organização em relação ao meio em que vive, assim, consideramos que o incentivo às atividades lúdicas, expressivas e educativas permitem que a criança encontre novo equilíbrio e faz com que ela aceite a conviver melhor com a doença”.

Um dos serviços disponibilizados pela Faculdade Guairacá é a brinquedoteca. Dinâmico e colorido, cheio de brinquedos, livros, jogos e fantoches, o local foi preparado especialmente para atender às necessidades dos acadêmicos, professores e funcionários da instituição que ocasionalmente não têm com quem deixar seus filhos.

Segundo a professora Elizabeth Macedo Fagundes, responsável pelo projeto, as atividades possibilitam um contato com diversas modalidades de brincadeiras, momento em que as crianças aprendem e se desenvolvem mais rapidamente. A existência da brinquedoteca favorece também o próprio curso de Pedagogia da instituição.

Casais que desejam adotar crianças encontram suporte num grupo de apoio criado pela Faculdade Guairacá em 2007. O projeto prevê  o acompanhamento aos casais interessados  com aconselhamentos, encontros, reuniões e debates de assuntos ligados ao preparo para a construção da paternidade e maternidade adotiva.

Desce a sua implantação na Guairacá, a faculdade reúne casais que passam ou passaram por experiências neste processo de habilitação, relatando e discutindo experiências. O grupo começou em vista da dificuldade encontrada por casais na adoção de crianças tardias, que são as crianças mais crescidas, a partir de 2 anos de idade.

O objetivo dessas reuniões é esclarecer os casais interessados em adotar uma criança, fortalecendo os vínculos na convivência familiar. Essa troca de experiências entre os casais é essencial na adaptação da criança e dos pais no novo ambiente familiar.

O Projeto de Extensão Fisioterapia em Oncologia acontece todas as quartas-feiras na Acopecc (Associação Centro-Oeste do Paraná de Estudo e Combate ao Câncer), com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos pacientes vinculados, sob orientação da professora Gabriela Garcia Krinski.

A Acopecc é uma entidade sem fins lucrativos, que presta assistência aos pacientes oncológicos de Guarapuava e região. Os alunos do curso de Fisioterapia da Faculdade Guairacá atendem esses pacientes através da Fisioterapia em grupo e atendimentos individuais.

O grupo é composto por 25 pessoas em média, e apresenta 2 tipos de pacientes: os que estão lutando contra o câncer e os “survivor”, termo utilizado para os que já foram curados mas que ainda necessitam de acompanhamento.

A Fisioterapia no paciente que está em tratamento oncológico auxilia nas fases de pré e pós operatório de retirada de tumor e linfonodos, quimioterapia, radioterapia e seus efeitos adversos. Já o grupo “survivor”, necessita de auxílio nas sequelas do tratamento oncológico e na atividade física controlada, que estudos comprovam que reduz a chance de recidiva do câncer.

As atividades do grupo seguem uma sequência de exercícios de aquecimento, alongamento, fortalecimento muscular, relaxamento e exercícios respiratórios. Alguns pacientes que apresentam a necessidade de cuidados especiais são atendidos de forma individual na Acopecc ou em seu próprio domicílio.

Atendendo o chamado da 5ª Regional de Saúde, a Faculdade Guairacá compareceu no dia 16 de fevereiro de 2016 em uma reunião para apresentação das questões ligadas ao combate a Dengue, Zica e Chikunguya.  Nesta reunião foram apresentados os números de pessoas que contraíram alguma das doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypt no município, no âmbito da 5ª Regional, no Estado e no país. Foram apresentadas também as ações que estavam sendo desenvolvidas por cada um dos municípios da região, que iam desde o alerta aos proprietários onde foram localizados criadores, até a questão da multa e do selo apresentado pelo município do Turvo. A enfermeira Silvia pediu o esforço de todos no combate dos criadores do Aedes Aegypt e o pedido especial para que as instituições de ensino preparassem ações de alerta junto à comunidade estudantil. Pediu ainda que estes colaborassem na medida do possível em ações juntamente com o Setor de Vigilância Sanitária do município no combate ao mosquito. Foi solicitada a participação de todos no dia 09 de cada mês quando são realizadas ações diretas e programadas. Neste mesmo encontro foi criado o Comitê Gestor de Combate a Dengue, Zica e Chikunguya. Neste Comitê a Faculdade assumiu a segunda secretaria.

A partir desta reunião a Faculdade Guairacá constituiu um Comitê Gestor interno para organizar ações junto à comunidade acadêmica em geral.

Este Comitê foi constituído por professores da área de educação e saúde que organizaram várias ações internas de conscientização dos acadêmicos, professores e funcionários para que se engajassem nesta luta.

Assim, foi criado um banner na página eletrônica da faculdade, em que todos puderam obter informações de combate ao mosquito. Nas entradas da instituição e em todas as salas de aula também foram colocados banners e cartazes, com informações sobre os cuidados para se evitar criadouros do mosquito. O professor Emanoel Severo, do Colegiado de Enfermagem, organizou e proferiu palestras para todos os acadêmicos da instituição. Na ocasião, eles receberam folders com orientações de como proceder para combater o mosquito e foram convidados a participar de ações em seus municípios.