Alimentação e longevidade: o que você precisa saber, por Morgana Keiber

Públicado em 23/04/2018
Imprimir
Morgana

Morgana Keiber
Graduada em Nutrição pela Universidade Estadual do Centro-Oeste
Especialista em Gestão do Conhecimento na Educação Superior pela Faculdade Guairacá
Mestre em Nutrição pela Universidade Federal de Santa Catarina

 

O envelhecimento é um processo inevitável, que acarreta mudanças fisiológicas graduais e previsíveis, sendo influenciado diretamente por fatores genéticos e ambientais.

Estudos recentes têm sugerido que o encurtamento dos telômeros (estruturas que protegem as sequências de DNA na extremidade dos cromossomos) tem uma relação com o aumento do risco de doenças como: obesidade, câncer e doenças cardiovasculares. Essas condições clínicas, de modo geral, comprometem a qualidade de vida do indivíduo, especialmente com o aumentar da idade.

telômero

Muitos fatores podem afetar o tamanho dos telômeros, favorecendo seu encurtamento. Por exemplo, pessoas que têm maiores níveis de estresse têm telômeros mais curtos. Além disso, fatores como inflamação, resistência à insulina e estresse oxidativo também contribuem com o encurtamento dessas estruturas.

A alimentação pode desempenhar um papel importantíssimo neste sentido, visto que, os alimentos tem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes que podem prevenir a instalação, tanto da inflamação, quanto do estresse oxidativo. Além disso, uma dieta equilibrada contribui para a normalização do peso e, consequentemente, para uma melhor resposta à ação da insulina.

Sendo assim, para garantir um envelhecimento saudável, alguns alimentos não podem faltar na sua rotina:

Frutas, verduras e legumes: devem constituir a base da alimentação por serem fontes importantes de substâncias antioxidantes e anti-inflamatórias, fibras, vitaminas e minerais.

Cereais integrais, grãos e leguminosas: são ricos em fibras e desempenham um efeito positivo no controle glicêmico, prevenindo a resistência à insulina. Além disso, as fibras contribuem positivamente com a saúde intestinal.

Sementes oleaginosas, azeites vegetais e abacate: são fontes de gorduras insaturadas, incluindo ômega-3, que tem efeito benéfico na saúde cardiovascular e atuam como anti-inflamatórios e antioxidantes naturais.

Peixes, aves, ovos e laticínios: são importantes fontes de proteína, com baixo conteúdo de gordura, que colaboram para a manutenção do peso saudável e contribuem com a saciedade.

Ervas frescas e especiarias: incluindo canela, cúrcuma, pimentas e ervas aromáticas em geral. Esses ingredientes, além de conferirem sabor e cor às preparações, são ricos em compostos bioativos, que desempenham, entre outros, efeitos anti-inflamatório e antioxidante.

Além de incluir alimentos com efeito protetor, é importante evitar o consumo de alimentos que contém quantidade excessiva de açúcar (como bebidas açucaradas e refrigerantes), gordura trans (alimentos industrializados) ou álcool, uma vez que esses componentes podem afetar negativamente a sua saúde.

Mantenha bons hábitos e esteja preparado para chegar a melhor idade. E lembre-se, nunca é tarde para priorizar a saúde da mente e do corpo!

 

0 Comentários

Alimentação e longevidade: o que você precisa saber, por Morgana Keiber