Acontece na UniGuairacá

42. 3622-2000 Frequentes na Uniguairacá

Saúde mental dos profissionais da saúde e a Covid-19, por Adriano Brum

Os profissionais estão diretamente expostos aos riscos de contaminação e impactos emocionais e psicológicos.

26/03/2021 10h15

Os trabalhadores da área da saúde nas suas diversas funções assistenciais, administrativas e operacionais, sempre tiveram um ambiente insalubre, mas no atual contexto da pandemia do novo Coronavírus (SARS-CoV-2), estão diretamente expostos aos riscos de contaminação e possivelmente mais vulneráveis a impactos emocionais e psicológicos. 

Essa realidade se agrava perante a crise de saúde pública, onde muitos aspectos da organização e do ambiente de trabalho necessitam de rápidas mudanças e adaptações, muitas vezes além da sua viabilidade. Arrisca-se ocorrer falta de equipamentos, estrutura apropriada mas, principalmente, carência de recursos humanos na linha de frente dos atendimentos, caso os profissionais não sejam preservados, tanto física, como mentalmente.

Sintomas como: alterações do sono, alterações de apetite, irritabilidade, dificuldade para relaxar e “desligar-se” do trabalho, dores generalizadas no corpo, sintomas psicossomáticos, falta de concentração, desânimo, medo, insegurança, cansaço extremo, inquietação, tristeza, preocupação, confusão, descrença, desmotivação, falta de esperança, tremores sem explicação, ansiedade e angústia necessitam ser avaliados tanto na sua intensidade como na frequência.

É necessário, portanto, um olhar sensível à saúde mental desse grupo de trabalhadores durante o enfrentamento da pandemia, assim como também no período pós-pandemia. Espera-se que para alguns trabalhadores da saúde as manifestações de sofrimento psíquico e desgaste emocional somente poderão ser percebidos e/ou reconhecidos após a diminuição da emergência em saúde pública, quando a disseminação do vírus estiver desacelerando e a intensidade dos cuidados prestados estiverem normalizando, podendo então olhar para si mesmos.

É importante destacar que caso perceba que algum colega de trabalho ou familiar trabalhador da saúde esteja apresentando dificuldades em lidar com a situação é importante incentivá-lo a buscar ajuda, seja com profissionais especializados, líderes comunitários, religiosos ou mesmo dentro da própria equipe. Ressalta-se a relevância de reconhecer os limites e pedir ajuda quando necessária.

 

REFERÊNCIAS

FIOCRUZ. Saúde mental e atenção psicossocial na pandemia COVID-19: Recomendações para gestores. 2020. Disponível em: https://efg.brasilia.fiocruz.br/ava/pluginfile.php/73432/mod_resource/content/6/cartilha_gestores.pdf

FIOCRUZ. Saúde mental e atenção psicossocial na pandemia COVID-19: Orientação aos Trabalhadores dos Serviços de Saúde. 2020. Disponível em: https://efg.brasilia.fiocruz.br/ava/pluginfile.php/149012/mod_resource/content/7/cartilha_trabalhadores_saude.pdf